ACNUR expressa preocupação com segurança de 31 refugiados em Chipre

13-06-2024

    O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) expressou profunda preocupação com a segurança e o bem-estar de aproximadamente 31 requerentes de asilo, incluindo sete crianças, que estão presos na zona tampão (ZT) em Chipre.

    É notado que “Cinco deles entraram no centro de recepção Pournara para solicitar asilo após cruzar a ZT, mas foram posteriormente removidos do centro pela polícia e empurrados de volta para a ZT.”

    “De acordo com os últimos relatórios, pelo menos duas dessas pessoas, incluindo uma criança desacompanhada da Síria, estão agora desaparecidas, enquanto outras necessitam de atenção médica e psicológica,” relata o anúncio do ACNUR.

    Acrescenta que, embora alimentos, água, roupas e instalações básicas sejam fornecidos às pessoas na zona tampão através da Força de Manutenção da Paz das Nações Unidas em Chipre (UNFICYP) e com o apoio do ACNUR, elas vivem em condições precárias, em tendas expostas a temperaturas extremas que ultrapassaram os 40 graus Celsius nos últimos dias.

    Condições Precárias e Necessidade de Ação Urgente

    O anúncio sublinha que a República de Chipre oferece cuidados médicos de emergência no hospital estatal, no entanto, após o tratamento, os requerentes de asilo são devolvidos pela polícia à zona tampão.

    “Esta situação requer ação urgente. Como sublinhamos nas comunicações com o Governo da República de Chipre, garantir acesso efetivo aos procedimentos de asilo e condições de recepção adequadas é uma obrigação ao abrigo do direito internacional dos refugiados. A Comissão Europeia também reiterou que a República de Chipre deve aplicar e fazer cumprir todos os aspetos do acervo da UE,” disse Philippe Leclerc, Diretor Regional do ACNUR para a Europa.

    O anúncio também afirma que a legislação europeia se aplica em todas as áreas de Chipre onde o Governo da República de Chipre pode aplicar sua legislação, incluindo a zona tampão da ONU.

    Acrescenta que este incidente ocorre em meio a “uma série de ações que estão efetivamente reduzindo o espaço de proteção em Chipre. Isso inclui a implementação de novas medidas preocupantes pelo governo de Chipre que afetam refugiados e requerentes de asilo sírios, incluindo a suspensão do processamento de seus pedidos de asilo desde meados de abril. Esta medida afetou mais de 14.000 requerentes de asilo sírios.”

    O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados também se refere à “retomada das detenções, às vezes com uso de força, de requerentes de asilo que tentam apresentar um pedido subsequente, a fim de submetê-los a processos de retorno”.

    Além disso, é relatado que nos últimos meses houve múltiplos relatos de “interceptação e subsequente repulsão de barcos transportando requerentes de asilo tentando chegar às costas cipriotas”.

    “As interceptações e repulsões no mar e a recusa em encaminhar os requerentes de asilo encalhados na ZT aos procedimentos de asilo resultam nos riscos de refoulement direto ou em cadeia para os requerentes de asilo afetados,” acrescenta.

    O ACNUR afirma que reconhece os desafios enfrentados por Chipre em relação às novas chegadas e está pronto para fornecer apoio adicional para garantir que os direitos humanos fundamentais dos requerentes de asilo e refugiados sejam respeitados.

    “Estamos comprometidos em trabalhar com o governo e outras partes interessadas para encontrar soluções sustentáveis que sustentem nossa responsabilidade compartilhada de proteger aqueles que fogem do conflito e da perseguição,” disse Leclerc.

    Além disso, ele menciona que “Reiteramos há muito tempo que Chipre, assim como outros Estados na fronteira externa da UE, não devem ser deixados sozinhos. Recursos contínuos da UE, solidariedade e partilha de responsabilidades são necessários para aumentar a capacidade de resposta de Chipre”.

    Em resposta ao aumento das chegadas de migrantes, Chipre suspendeu o processamento dos pedidos de asilo dos nacionais sírios e apelou à UE para classificar a Síria como um país seguro de origem.

    Sem Base Legal

    A coordenadora do Conselho dos Refugiados do Chipre, Corina Drousiotou, disse ao in-cyprus que não há base legal para excluir uma nacionalidade específica dos pedidos de asilo.

    Ela explicou que uma medida semelhante foi tentada durante a administração de Nicos Anastasiades, mas não trouxe resultados.

    “Esta medida também foi tentada em 2022, durante o governo anterior, e não trouxe resultados, pois não reduziu as chegadas dos nacionais sírios”.

    O escritório de direitos humanos da ONU afirmou no início deste ano que, com base nas evidências reunidas, os refugiados sírios que fugiram da guerra civil em curso na Síria estão enfrentando graves violações dos direitos humanos, como tortura e sequestro ao retornarem à Síria, enquanto as mulheres estão sujeitas a assédio sexual e violência.

    (Informações retiradas de unhcr.org)

    Qual é a preocupação principal do ACNUR em relação aos 31 requerentes de asilo na zona tampão em Chipre?

    A principal preocupação do ACNUR em relação aos 31 requerentes de asilo na zona tampão em Chipre é garantir que seus direitos humanos sejam respeitados e que tenham acesso a procedimentos justos e eficientes de asilo, além de condições adequadas de acolhimento e proteção.

    O que pode ser feito para garantir a segurança dos requerentes de asilo na zona tampão em Chipre?

    Send a request and get a free consultation:
    Thanks for the apply!
    We will get back to you within 1 business day
    In the meantime, you can get a free consultation from our AI assistant:​