Trump propõe nova redução de impostos corporativos a CEOs influentes

17-06-2024

    O ex-presidente Donald Trump expressou a um influente grupo de CEOs seu desejo de reduzir ainda mais a taxa de imposto corporativo que ele diminuiu enquanto estava no cargo, enquanto o chefe de gabinete do presidente Joe Biden, Jeffrey Zients, afirmou separadamente que a ênfase do atual presidente em alianças globais beneficiaria seus negócios.

    Reunião a portas fechadas

    Tanto Trump, o presumível candidato republicano, quanto Zients se encontraram a portas fechadas na quinta-feira com o Business Roundtable em Washington. Zients substituiu Biden durante as reuniões do presidente com os líderes do Grupo dos Sete na Itália. O grupo proeminente, que representa mais de 200 CEOs, lançou recentemente um esforço para preservar os benefícios fiscais para empresas que Trump assinou em lei em 2017.

    Nenhuma das partes comentou publicamente sobre o que foi dito na reunião, que ocorre enquanto Biden e Trump se encaminham para uma possível revanche em 2024 com visões nitidamente diferentes sobre impostos e economia. Trump mencionou que gostaria de reduzir a taxa de imposto corporativo em um ponto percentual, para 20%, segundo uma pessoa familiarizada com suas declarações que insistiu no anonimato para discutir a reunião a portas fechadas. O ex-presidente focou seus comentários em impostos, inflação e na necessidade de mais produção de petróleo.

    Outra pessoa familiarizada com as conversas disse que Zients argumentou que a reputação global da América e suas instituições independentes, como o Federal Reserve, fomentaram o tipo de confiança mundial que permitiu ao capitalismo dos EUA prosperar. As declarações foram uma alfinetada no campo de Trump, já que o ex-presidente anteriormente impôs tarifas aos aliados e buscou maior controle sobre as políticas do Fed.

    Zients afirmou que a recuperação econômica pós-pandemia foi possível em parte porque a administração Biden trabalhou com empresas em questões como cadeias de suprimentos. E indicou aos CEOs que as promessas de Trump de deportar milhões de pessoas e travar possíveis guerras comerciais poderiam aumentar a inflação.

    Prioridades legislativas e impacto econômico

    O Business Roundtable fez dos impostos baixos sua principal prioridade legislativa. O grupo anunciou que gastaria pelo menos $10 milhões em uma campanha para manter a taxa de imposto corporativo em 21%, além de promover mudanças favoráveis aos negócios no código tributário dos EUA e pressionar pela extensão de incentivos fiscais para pesquisa e desenvolvimento.

    Parte dos cortes de impostos de 2017 que Trump assinou enquanto presidente está expirando após 2025, provavelmente aumentando os impostos para a maioria das famílias americanas. Isso configura um confronto entre democratas e republicanos sobre como reescrever o código tributário. Líderes de ambos os partidos querem preservar os cortes para aqueles que ganham menos de $400.000. Mas alguns apoiadores de Trump querem expandir os cortes de impostos, inclusive para empresas. Biden gostaria de aumentar a taxa corporativa para 28% e introduzir impostos mais altos sobre os ricos para financiar programas para a classe média.

    A administração Biden também manteve que os cortes de impostos devem ser pagos como parte de uma proposta, enquanto a reforma de 2017 aprovada por Trump levou a déficits orçamentários mais altos, pois o crescimento prometido não se materializou. Pesquisas econômicas recentes indicam que os cortes de impostos corporativos de Trump aumentaram o investimento empresarial, mas não o suficiente para o crescimento adicional necessário para cobrir o custo desses cortes.

    O Escritório de Orçamento do Congresso estima que uma extensão completa dos cortes de impostos que estão expirando custaria $4,9 trilhões ao longo de 10 anos, incluindo juros adicionais sobre a dívida. A dívida pública do governo federal está em quase $27,6 trilhões.

    Líderes empresariais argumentam que impostos mais baixos os tornam mais competitivos globalmente, permitindo-lhes contratar mais trabalhadores e investir em novas tecnologias. Isso, por sua vez, ajudaria a impulsionar o crescimento. Membros do BRT da Cisco e da Procter & Gamble disseram a repórteres na quarta-feira que taxas mais altas os levariam a investir menos nos EUA.

    Jon Moeller, CEO e presidente do conselho da P&G, disse que um aumento de impostos provavelmente seria repassado aos consumidores na forma de preços mais altos, limitaria o crescimento salarial dos funcionários e seria suportado pelos acionistas.

    “Assumir que as empresas são grandes e fortes e podem absorver isso é meio ingênuo em termos do que realmente acontecerá”, disse Moeller. “É um impacto societal.”

    A proposta orçamentária de Biden aumentaria os impostos corporativos em quase $2,2 trilhões ao longo de 10 anos. Mais da metade dessa nova receita viria do reajuste da taxa de imposto corporativo para 28% — um aumento, embora ainda inferior à taxa de 35% herdada por Trump.

    Trump, por sua vez, sugeriu que impostos corporativos mais altos devastariam a nação.

    “Biden quer aumentar os impostos além disso e aumentar os impostos sobre as empresas, o que levará à destruição dos seus empregos e, sabe o quê? No final das contas, isso só vai levar à destruição do país”, disse Trump em um comício em maio.

    .

    Qual é a opinião de Donald Trump sobre a redução da taxa de imposto corporativo?

    Donald Trump defende a redução da taxa de imposto corporativo, argumentando que tal medida impulsiona o crescimento econômico, atrai investimentos estrangeiros e aumenta a competitividade das empresas americanas no mercado global. Segundo ele, isso resultaria em mais empregos e salários mais altos.

    Pode a ênfase de Biden nas alianças globais ajudar os seus negócios?

    Send a request and get a free consultation:
    Thanks for the apply!
    We will get back to you within 1 business day
    In the meantime, you can get a free consultation from our AI assistant:​