Governo Central deve adotar regime fiscal “Pilar-2” no próximo Orçamento

18-06-2024

    O governo central deve anunciar a adoção do regime fiscal “Pillar-2” ancorado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) no próximo Orçamento, como parte dos esforços do país para apoiar e beneficiar do sistema global de combate à evasão fiscal. O Projeto de Lei Financeira de 2024, aprovado após a apresentação do Orçamento provisório, será alterado após a apresentação do Orçamento completo na segunda metade de julho para esse efeito, disse um funcionário, sob condição de anonimato. As disposições, no entanto, serão notificadas e entrarão em vigor apenas a partir de setembro, acrescentou a pessoa.

    Regras do Pilar 2-GloBE

    As Regras do Pilar 2-GloBE – que preveem um imposto mínimo global para “empresas multinacionais” (MNEs) – visam dissuadir a transferência de lucros, garantindo que essas empresas mantenham uma Taxa Efetiva de Imposto (ETR) mínima de 15% em todas as jurisdições onde operam. As MNEs, conforme as regras, são definidas como aquelas entidades com um volume de negócios global superior a 750 milhões de euros.

    Para tornar o Pilar 2 operacional na Índia, o Centro teria que alterar as leis fiscais para incluir as regras, nomeadamente o Imposto Suplementar Mínimo Doméstico Qualificado (QDMTT), a Regra de Inclusão de Rendimento (IIR), a Regra de Lucros Subtributados (UTPR) e a Regra Sujeita a Imposto (STTR). Essencialmente, todas essas regras permitem que os países, neste caso a Índia, imponham um ‘imposto suplementar’ à entidade-mãe intermediária (IPE) ou à entidade-mãe final (UPE) de uma empresa que artificialmente reporta lucros em uma jurisdição de baixo imposto.

    Considere, por exemplo, um grupo MNE com sede na Índia que paga imposto corporativo a uma taxa de 9% nos Emirados Árabes Unidos através da sua subsidiária. Isso significaria que os restantes 6% teriam que ser pagos como imposto suplementar, se a Índia implementar o regime do pilar-2.

    “Para grupos baseados na Índia com subsidiárias fora da Índia e operações internacionais, haveria fluxos adicionais de impostos e um aumento no ônus de conformidade que eventualmente resultaria em aumento da receita fiscal do governo indiano,” explicou Jalaj Gupta, líder de preços de transferência e impostos da SW India.

    O funcionário citado acima, no entanto, disse que qualquer estimativa de “possíveis ganhos de receita” ainda não foi feita.

    Especialistas dizem que o Conselho Central de Impostos Diretos (CBDT) precisaria emitir diretrizes, circulares e FAQs explicando como essas regras se aplicam. Isso inclui definir renda de baixo imposto, calcular taxas efetivas de imposto e garantir conformidade. “Em suma, implementar as regras do Pilar 2 nas leis fiscais indianas requer uma abordagem abrangente envolvendo mudanças legislativas, diretrizes administrativas e coordenação internacional,” disse Yeeshu Sehgal, chefe do mercado fiscal da AKM Global.

    O regime do pilar-2, em palavras simples, visa impedir que as MNEs transfiram lucros para jurisdições de baixo imposto. Garantindo que essas empresas paguem uma taxa mínima global de imposto, a Índia pode certamente proteger sua base tributária da erosão, dizem alguns especialistas. Isso deve levar a um aumento da receita à medida que mais lucros são tributados dentro do país; mas o impacto real na receita dependerá de quão efetivamente as regras são implementadas e como as MNEs respondem ao novo ambiente fiscal, afirmam.

    “Do ponto de vista das MNEs, grupos com sede na Índia com subsidiárias em jurisdições de baixo imposto, especialmente aqueles que já anunciaram a implementação do Pilar 2, devem começar a avaliar o impacto do pacote fiscal ao preparar as demonstrações financeiras consolidadas do grupo,” disse Sehgal.

    Desde 1º de janeiro de 2024, mais de 27 países (dos 130 que assinaram a convenção multilateral) incorporaram as regras do pilar-2 em suas leis domésticas. Grupos MNE com sede na Índia – tendo presença em várias dessas jurisdições – terão que provisionar o imposto suplementar nos livros contábeis, se aplicável, em suas demonstrações financeiras para o ano encerrado em 31 de março de 2024, disse um relatório recente da Deloitte. As MNEs são obrigadas a cumprir as regras mesmo que a Índia ainda não as tenha implementado.

    Rohinton Sidhwa, parceiro da Deloitte India disse: “O governo é amplamente obrigado a seguir o quadro acordado para implementar as regras. Embora seja difícil medir os ganhos de receita que o governo fará imediatamente, o que permitirá é o acesso a muitas informações sobre as MNEs globais cobertas pelo pilar-2 e operando na Índia.”

    Gupta da SW India mencionou, no entanto, que a implementação do pilar-2 não está isenta de desafios. “Terá um impacto significativo na tributação da economia digital na Índia e pode exigir alguns ajustes nas medidas unilaterais existentes,” disse ele.

    “A implementação das regras GloBE exige mudanças na legislação tributária doméstica, bem como nos tratados fiscais para a Regra Sujeita a Imposto (STTR), o que pode ser feito através de negociações bilaterais ou alteração do MLI (instrumento multilateral),” afirmou.

    Anteriormente, o FE havia relatado, citando especialistas, que o governo central pode incorporar as regras do Pilar 2-GloBE da OCDE na lei doméstica do país no Orçamento completo que será apresentado em julho, mas pode não render à Índia a receita antecipada conforme previsto anteriormente. Isso porque uma disposição específica, nomeadamente o Imposto Suplementar Mínimo Doméstico Qualificado (QDMTT), limita a capacidade do país de beneficiar da adoção do pacote fiscal.

    No exemplo citado acima (da Índia e dos Emirados Árabes Unidos), o imposto suplementar pode ser pago à Índia ou aos Emirados Árabes Unidos, dependendo se a jurisdição de baixo imposto (neste caso os Emirados Árabes Unidos) introduziu ou não o QDMTT. Caso o QDMTT não seja invocado, a Índia terá o direito de cobrar os 6% extras.

    Mas, na realidade, é improvável que a Índia obtenha qualquer receita extra, pois as jurisdições provavelmente incorporarão a taxa mínima global de imposto em suas leis domésticas e coletarão impostos das entidades localizadas dentro de sua jurisdição apenas pelo mecanismo QDMTT, dizem especialistas.

    De acordo com as regras do pilar-2, a jurisdição de baixo imposto tem a responsabilidade primária de cobrar esse “imposto suplementar” implementando o QDMTT dentro da sua lei tributária doméstica. Na ausência do QDMTT, o direito de cobrar esse imposto suplementar passará para a Índia onde a UPE está localizada através de uma regra de inclusão de rendimento (IIR) se a Índia adotar as regras GloBE.

    Se a Índia como UPE não implementar um IIR, o direito de cobrar o imposto suplementar será estendido para outras jurisdições (que adotaram as regras GloBE) onde a MNE opera através de uma Regra de Pagamentos Subtributados (UTPR). O QDMTT vem primeiro na ordem de como os impostos suplementares são coletados.

    .

    Qual é o impacto esperado da adoção do regime fiscal Pillar-2 pela Índia no próximo Orçamento?

    A adoção do regime fiscal Pillar-2 pela Índia no próximo Orçamento deverá aumentar a transparência e a equidade fiscal, alinhando-se às normas internacionais. Espera-se um impacto positivo na atração de investimentos estrangeiros, ao mesmo tempo que fortalece a arrecadação tributária nacional.

    O governo central pode adotar o regime fiscal Pilar-2 no próximo Orçamento?

    Send a request and get a free consultation:
    Thanks for the apply!
    We will get back to you within 1 business day
    In the meantime, you can get a free consultation from our AI assistant:​