Líder do Hezbollah emite novas ameaças; impacto potencial na economia

22-06-2024

    As ameaças disparadas contra Chipre esta semana pelo líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, por mais improváveis que possam parecer, não devem ser subestimadas. O clérigo xiita e líder do grupo militante exerce considerável influência em quase tudo o que acontece no Líbano, desde a política até a economia e defesa nacional.

    Além de garantir vastas quantias de financiamento para compras de armas e redes de túneis subterrâneos, principalmente com o apoio do Irã, sua maior conquista ao longo dos anos tem sido angariar apoio público entre uma grande parte da população, desiludida pelos governantes corruptos do país. O Hezbollah cuida dos interesses do Irã e da Síria, objetando às explorações de petróleo e gás offshore e impedindo a conclusão de um acordo de delimitação com Israel, que permitiria ao Líbano desfrutar de suas futuras receitas e investir em infraestrutura, saúde e educação.

    O Papel da Hezbollah e a Situação Geopolítica

    Por décadas, o Hezbollah e sua organização irmã, Hamas, têm acumulado um arsenal de foguetes frequentemente disparados contra Israel, com o exército libanês incapaz de controlar suas fronteiras ao sul desde que o Ocidente cortou seu financiamento e suprimentos. Visitando Beirute ocasionalmente, líderes europeus e outros muitas vezes prometem fundos e ajuda que nunca chegam ao seu destino, alimentando ainda mais um forte sentimento de desconfiança, enquanto a Turquia espera nos bastidores pelo dia em que avançará mais ao sul, já se intrometendo nos assuntos internos do Líbano.

    Não há dúvida de que a política externa da UE falhou no Líbano, que carrega o maior fardo de refugiados sírios e deslocados, e ainda assim, não recebeu nem uma fração dos bilhões em ajuda da UE que Bruxelas generosamente paga a Ancara, supostamente para gerenciar o problema dos refugiados em seu território. Na verdade, esses fundos dos contribuintes europeus são alocados para infraestrutura turca e a indústria de armamentos, usados para provocar mais conflitos na Síria e outras regiões devastadas pela guerra.

    A Resposta de Chipre e a Necessidade de Diplomacia

    No entanto, o líder do Hezbollah, em sua sabedoria, não disse abertamente que atacaria Chipre, mas ameaçou retaliar apenas se a ilha fosse usada por Israel em sua guerra contra Hamas, Hezbollah e Irã. Nikos Christodoulides, sendo o principal diplomata da ilha durante a maior parte das duas administrações anteriores, percebeu a necessidade de enviar as mensagens certas através do mar para tentar apaziguar tais preocupações. Ele reagiu corretamente ao afirmar que Chipre não é usado como fortaleza ou trampolim para Israel, mas forneceria qualquer ajuda humanitária necessária se a guerra israelense em Gaza se intensificar ainda mais.

    Ao contrário, o presidente cipriota disse que a ilha tem ido além para ajudar os refugiados em Gaza e as vítimas das operações militares de Israel, através do corredor marítimo de ajuda Amalthia e muitos outros esforços, como foi o caso de inúmeras evacuações no passado. Onde a UE falhou miseravelmente em tentar resolver o problema dos refugiados na sua origem, Chipre, embora pequeno, deve intervir e assumir o papel de mediador, pacificador e defensor dos direitos humanos.

    Todas as outras nações envolvidas nesta área de conflito mais ampla têm seus interesses e, pior ainda, se Chipre for atingido, ninguém virá em seu socorro, nem mesmo Israel. Nicósia precisa abrir um canal direto de comunicação, possivelmente diretamente com a liderança do Hezbollah, independentemente se condena os ataques da milícia a Israel ou seu financiamento ao terrorismo. Dizer aos estados ricos em petróleo do Golfo que Chipre deve ser considerado seu amigo em Bruxelas é simplesmente alimentar os egos dessas nações, muitas das quais não querem paz em Gaza, Síria ou mesmo Líbano.

    Mas Chipre precisa de paz em casa e na região, pois tem um agressor ao norte que continua a mexer no vespeiro, provocando problemas sempre que pode, com a tolerância das nações ‘civilizadas’ europeias e dos EUA. A ameaça de um ataque deve ser transformada em uma oportunidade para abrir novos esforços diplomáticos. A explosão no porto de Beirute em 2020 foi vista e sentida em Chipre, talvez muito próxima. Esses riscos devem ser empurrados o mais longe possível antes que algo pior aconteça, momento em que um “eu avisei” simplesmente não ajudará.

    .

    Quais são as ameaças feitas por Hassan Nasrallah contra Chipre esta semana?

    Esta semana, Hassan Nasrallah, líder do Hezbollah, ameaçou Chipre com possíveis ataques caso o país permita que Israel utilize seu território para operações militares contra o grupo. As declarações aumentaram as tensões na região, já volátil devido a conflitos geopolíticos.

    O Hezbollah pode realmente ameaçar a segurança de Chipre?

    Send a request and get a free consultation:
    Thanks for the apply!
    We will get back to you within 1 business day
    In the meantime, you can get a free consultation from our AI assistant:​