Campanha Global Visa Harmonizar Regras Fiscais para Multinacionais

02-07-2024

    Era bom demais para ser verdade: uma campanha global para erradicar a evasão fiscal e harmonizar as regras fiscais internacionais para empresas que operam além-fronteiras. Na vanguarda desta iniciativa de transparência está uma taxa mínima para corporações multinacionais, independentemente de onde operem. Nada mais de explorar brechas fiscais e transferir lucros para países com baixa tributação para evitar pagar a sua justa parte de impostos.

    A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estima que $240 bilhões (€223 bilhões) são perdidos anualmente devido à evasão fiscal. As discussões sobre a unificação da tributação das corporações têm ocorrido há anos.

    Dois pilares da tributação global

    O acordo de cooperação fiscal global possui dois pilares: certos rendimentos tributáveis serão transferidos e tributados onde são gerados, e uma taxa mínima global será aplicada às corporações.

    O segundo pilar, uma taxa mínima global, é um mecanismo para garantir que as empresas paguem impostos sem usar brechas ou jurisdições de baixa tributação para evitá-los.

    O modelo atual estabelece uma taxa de imposto corporativo de 15% sobre multinacionais com receitas superiores a €750 milhões em pelo menos dois dos últimos quatro anos. Empresas que pagam algum imposto, mas não 15%, terão que “completar” a diferença.

    Big Tech lutando da China ao Vale do Silício

    Alguns países já introduziram as novas regras, enquanto outros ainda estão no processo de implementação.

    Na Irlanda, por exemplo, as regras de imposto mínimo entraram em vigor em 1º de janeiro de 2024. Mas, como se aplicam apenas a empresas com faturamento de €750 milhões, mais de 99% das empresas operando no país ainda serão tributadas a 12,5%, disse Robert Dever, sócio em Dublin e líder da prática fiscal irlandesa na Pinsent Masons, um escritório de advocacia multinacional.

    Pagando impostos onde os lucros são gerados

    O outro pilar do plano da OCDE está provando ser mais difícil de implementar. Novamente, esta regra aplica-se às grandes multinacionais. Em vez de garantir que as empresas paguem impostos em geral, esta regulamentação trata de onde esses impostos são pagos. Isso significa realocar certos rendimentos para jurisdições onde os lucros são gerados, independentemente de a empresa ter ou não presença física em um país ou onde está sediada.

    Isto visa tornar a tributação mais justa para empresas que não conseguem usar brechas fiscais. E traria receita fiscal para países — especialmente países mais pobres — que poderiam usar essa renda.

    Para fazer o acordo acontecer, os países disseram que não implementariam suas próprias regras. Além disso, os impostos locais sobre serviços digitais devem ser eliminados, dando precedência ao acordo global. É um esforço sem precedentes em cooperação internacional.

    O acordo deveria ser assinado até 30 de junho, mas está lutando para se tornar realidade, pois vários países estão repensando sua participação. O maior impasse está nos Estados Unidos.

    A participação americana é vital para a iniciativa simplesmente porque tantas empresas sediadas nos EUA seriam afetadas, disse Dever. “Infelizmente, isso significa que o sucesso do acordo provavelmente será refém da situação política em Washington e de um impasse no Senado dos EUA”, disse ele à DW.

    O presidente Joe Biden apoia o plano, mas não tem votos suficientes para aprová-lo. O antecessor de Biden e presumível candidato republicano Donald Trump, que é contra tal tratado, colocaria um prego final no caixão se eleito.

    “O fracasso do acordo é uma possibilidade real devido à não participação dos EUA no acordo”, disse Dever, que tem experiência em aconselhar grandes corporações domésticas e multinacionais.

    Outro problema é que as Nações Unidas intervieram e ofereceram seu próprio plano de cooperação fiscal global, a pedido dos países em desenvolvimento que querem mais voz. Esta luta pelo poder diluiu o plano da OCDE e está desmantelando um consenso mais amplo.

    Onde terminará o debate fiscal global?

    Se um acordo global não entrar em vigor, os países voltarão a competir entre si na tributação com suas próprias regras domésticas.

    Isso poderia se transformar em “uma forma de ‘guerra fiscal'”, alertou Dever. “E isso provavelmente tomaria a forma de impostos unilaterais sobre serviços digitais à medida que os países buscam novas fontes de receita para preencher a lacuna fiscal.”

    Já há sinais disso. O Canadá recentemente aprovou uma legislação sobre um imposto sobre serviços digitais, e Nova Zelândia e Quênia começaram o processo, exatamente o que um acordo global pretendia impedir.

    Empresas americanas de tecnologia como Google e Facebook serão as mais atingidas e “o risco de ações comerciais punitivas pelos EUA em resposta a tais impostos sobre serviços digitais será aumentado”, disse Dever.

    .

    Qual é a taxa mínima de imposto para multinacionais na campanha global contra a evasão fiscal?

    A taxa mínima de imposto para multinacionais, conforme acordado na campanha global contra a evasão fiscal liderada pela OCDE, é de 15%. Este acordo visa garantir que as grandes empresas paguem uma parcela justa de impostos, independentemente de onde operem.

    Pode a campanha global eliminar a evasão fiscal das multinacionais?

    Send a request and get a free consultation:
    Thanks for the apply!
    We will get back to you within 1 business day
    In the meantime, you can get a free consultation from our AI assistant:​