Adidas regista prejuízo anual com queda de vendas na América do Norte

13-03-2024

A Adidas, gigante alemã do vestuário desportivo, reportou o seu primeiro prejuízo anual em mais de três décadas, alertando ainda para uma queda nas vendas na América do Norte, à medida que os retalhistas de ténis nos EUA enfrentam elevados níveis de inventário.

Após desvincular-se de Kanye West em outubro de 2022 e suspender as vendas da lucrativa linha de ténis Yeezy, a Adidas tem procurado reerguer-se. Sob a liderança do CEO Bjorn Gulden, que assumiu o cargo no início do ano, a empresa retomou a venda dos ténis Yeezy para escoar o stock existente e tem focado em impulsionar produtos populares como os sapatos Samba e Gazelle, além de melhorar as relações com os retalhistas. As ações da Adidas têm recuperado, superando as de concorrentes como Nike e Puma desde a entrada de Gulden.

“Embora não seja suficientemente bom, 2023 terminou melhor do que eu esperava no início do ano”, afirmou Gulden. Para este ano, prevê-se que as vendas na América do Norte continuem fracas, com uma expectativa de queda em torno de 5%. A demanda mais baixa e as lojas sobrecarregadas nos EUA impactaram negativamente as empresas de vestuário desportivo, com a Adidas a reportar uma redução de 21% nas vendas no quarto trimestre e de 16% ao longo do ano.

A empresa conseguiu reduzir os inventários em 1,5 bilhão de euros em 2023, uma diminuição de 24%, graças à venda de stock através das suas lojas outlet. Contudo, a Adidas enfrenta atrasos nos envios de duas a três semanas devido à crise no Mar Vermelho, o que poderá impactar o capital de giro se as perturbações persistirem.

A Adidas aposta que poderá recuperar quota de mercado dos rivais, mesmo com a diminuição do interesse geral dos consumidores por vestuário desportivo. A empresa espera que o seu negócio subjacente – excluindo Yeezy – melhore em 2024, com um crescimento de pelo menos 10% no segundo semestre.

A tendência para ténis “terrace” de camurça e corte baixo, como os modelos Samba e Gazelle, tem sido benéfica para a Adidas, que aumentou a produção no último ano. Essa tendência contribuiu para um aumento de 8% nas vendas de calçado no quarto trimestre, enquanto as vendas de vestuário caíram 13%.

Na China, a Adidas espera uma recuperação mais forte, com um crescimento das vendas em ritmo de dois dígitos após um aumento de 8% em 2023.

Apesar do prejuízo anual de 58 milhões de euros, o primeiro desde 1992, o conselho da Adidas propõe manter o dividendo inalterado em 0,70 euros por ação referente ao desempenho de 2023. A empresa destinou ainda 140 milhões de euros para doações a caridades que combatem o antissemitismo e o racismo.

ténis

Qual foi o impacto do corte de relações com Kanye West e da suspensão das vendas da linha de ténis Yeezy nos resultados financeiros da Adidas?

Send a request and get a free consultation:

Learn further about this subject

Thanks for the apply!
We will get back to you within 1 business day
In the meantime, you can get a free consultation from our AI assistant:​