Navio Abdullah ancora após ataque de piratas somalis

21-03-2024

Resurgimento da Pirataria no Oceano Índico Preocupa Indústria Marítima

Em um incidente que marca o retorno de uma ameaça quase esquecida, uma lancha rápida com mais de uma dúzia de piratas somalis atacou um graneleiro propriedade do Bangladesh no Oceano Índico ocidental. O navio, chamado Abdullah, ancorou mais tarde ao largo da costa da Somália, com o capitão e o segundo oficial feitos reféns. Este ataque é um dos mais recentes em uma série que está reacendendo preocupações sobre a segurança nas rotas marítimas internacionais.

O Chief Officer Atiq Ullah Khan, em uma mensagem de áudio enviada aos proprietários do navio antes de os telefones da tripulação serem confiscados, afirmou: “Pela graça de Allah, ninguém foi ferido até agora”. A gravação foi compartilhada com a Reuters, destacando a tensão vivida a bordo. Apesar dos esforços internacionais anteriores para conter a pirataria, o fenômeno parece estar ganhando força novamente.

Os ataques piratas estão adicionando riscos e custos significativos para as empresas de navegação, que já enfrentam ataques repetidos de drones e mísseis pela milícia Houthi do Iêmen em águas próximas. Mais de 20 tentativas de sequestro desde novembro resultaram no aumento dos preços para segurança armada e cobertura de seguro, além da perspectiva de pagamentos de resgate, conforme relatado por representantes da indústria.

Um financiador pirata, conhecido pelo alias Ismail Isse, revelou à Reuters que os piratas estão se aproveitando da distração fornecida pelos ataques Houthi ao norte para retomar a pirataria após quase uma década inativa. “Eles aproveitaram essa chance porque as forças navais internacionais que operam na costa da Somália reduziram suas operações”, disse Isse.

Embora a ameaça atual não seja tão grave quanto entre 2008-2014, oficiais regionais e fontes da indústria estão preocupados que o problema possa escalar. “Se não o pararmos enquanto ainda está em sua infância, pode se tornar o mesmo que era”, alertou o Presidente somali Hassan Sheikh Mohamud.

No entanto, houve uma vitória recente: a Marinha Indiana interceptou e libertou o Ruen, que estava sob a bandeira de Malta, após ele voltar ao mar. A missão antipirataria da União Europeia, EUNAVFOR Atalanta, sugeriu que os piratas podem ter usado o Ruen como plataforma para atacar o Abdullah.

Os custos crescentes e a necessidade de reforçar a segurança marítima são claros. A demanda crescente por guardas armados privados está impulsionando os preços, e as seguradoras estão impondo prêmios adicionais de risco de guerra em navios que passam pelo Golfo de Aden e Mar Vermelho. Especialistas em segurança destacam que é crucial manter os esforços internacionais para combater a pirataria e apoiar a capacidade de aplicação da lei marítima da Somália.

As águas ao largo da Somália incluem algumas das rotas de navegação mais movimentadas do mundo. A comunidade internacional está atenta à necessidade de medidas proativas para evitar um retorno aos dias sombrios em que a pirataria dominava essas águas críticas.

Uma lancha rápida com mais de uma dúzia de piratas somalis atacou um graneleiro propriedade do Bangladesh no Oceano Índico ocidental, fazendo reféns o capitão e o segundo oficial

Que medidas estão sendo tomadas para lidar com o recente ataque de uma lancha rápida com mais de uma dúzia de piratas somalis, que atacou um graneleiro propriedade do Bangladesh no Oceano Índico ocidental, fazendo reféns o capitão e o segundo oficial?

Send a request and get a free consultation:

Malta business news

Thanks for the apply!
We will get back to you within 1 business day
In the meantime, you can get a free consultation from our AI assistant:​